Postagem em destaque

Tipos de textos jornalísticos

Informativos
Notícia: é o relato puro e simples de um fato ou acontecimento atual de interesse público e de interesse do público;Reportagem: trata-se de uma notícia ampliada, com informações prestadas por mais de uma fonte. A reportagem aborda vários ângulos de um fato, esmiuçando e esgotando o assunto, além de procurar interpretar os acontecimentos;Suíte: matéria com desdobramentos de um fato já noticiado, quando há novas informações sobre o assunto outrora abordado;Entrevista: além de representar a principal fonte de informação para a maior parte das matérias jornalísticas, ela pode ser uma entrevista especial com perguntas e respostas - chamada nas redações de "pingue-pongue" - a uma única fonte (uma personalidade política, econômica, cultural etc.);Nota: uma notícia pequena, que se destina a dar uma informação rápida sobre um determinado fato ou acontecimento. Opinativos
Perfil: é uma espécie de construção da história duma personagem com enfoque num indivíduo ou numa inst…

O órfão

Desde criança ele aprendeu a ser adulto. A juventude fora um privilégio do qual não pôde se dar ao luxo de gozar.

É sempre assim! Quando se é fruto de uma gravidez acidental, ganhar a vida não é uma escolha; é um fado.

Negligenciado aos braços de sua jovem e irresponsável genitora, também perdera os daqueles que o acolheram. Aos 10 anos, órfão de mãe; aos 15 de pai. A morte foi sua companheira prematuramente ignorando a inexperiência que o impedia de compreender em sua totalidade a força permanente e irreversível de tal.

Conviveu num ambiente hostil e sem amor e talvez por isso este sentimento confunda tanto a sua cabeça.

Uma de suas irmãs fora praticamente obrigada a recebê-lo; embora nunca o permitisse esquecer de que ele não era seu parente de fato. "O maior erro do mundo foi mãe e pai terem te pego pra criar", clamava.

Não é de surpreender que raramente parasse em casa. Não ousava chamar de lar. Não achava que fosse justo.

Gostava de visitar aos amigos. Mais do que apreciar a companhia deles, gostava de invejá-los. Invejava-os por coisas tolas: adorava vê-los sendo repreendidos pelas mães por não terem comido tudo ou sequer almoçado. Na sua casa, acostumou-se a ter a comida colocada o mais escondido possível de seus olhos e o mais distante de suas mãos. Tinha a sensação de que a fome era qüase um pecado imperdoável. Um frio na espinha ainda o aflige quando percebe algum incômodo no estômago.

Naturalmente, tão logo começou a ganhar o próprio dinheiro resolveu tomar seu rumo. A ausência de um lar, despertou o desejo de criá-lo.

Porém, a independência e a liberdade custam um preço que o quão grave sejam as intempéries do cotidiano não se podem arcar. Um duradouro período de desemprego e a rua foi seu abrigo.

Sentiu plenamente a dureza da vida. E por mais clichê que possa parecer, aprendeu muitas lições: aprendera que geralmente a caridade não é encontrada nos locais em que é anunciada, aprendera a necessidade de ter para onde ir e mais importante, ao final do dia, ter para onde voltar.

Todas as intermináveis noites solitárias, em qualquer lugar que lhe servisse como refúgio provisório, relembrava nostalgicamente dos últimos dias que dispunha de um teto sobre a sua cabeça e administrava com rigor um pacote de dois quilos de açúcar refinado como sua única refeição diária. Por muito tempo aqueles foram os únicos momentos em que sentira alguma doçura na vida.

A ingrata realidade mudou. Mas nesta jornada temporária há marcas que são atemporais.

Ao caminhar pela cidade, permanece atento aos locais que supostamente julgaria serem seguros para pernoitar ao relento. E seus olhos cansados ainda brilham vendo o suculento banquete à disposição de uma marmita largada nas lixeiras ou beiras de calçada.

Como mencionado, fora apresentado antecipadamente à morte e já com mais compreensão sobre ela, decidiu não temê-la. Tomou para si que não é a pior coisa. Que pior do que a morte é uma vida sem sentido. E por tal convicção e experiências, chegou a rogá-la. E de tanto o fazer, conseguiu; morreu! Ou melhor, renasceu!

Uma vez fora abandonado… encontrou-se!

Uma vez fora indesejado… hoje é dono de si!

Uma vez fora menino… hoje é um homem!

Uma vez fora pequeno… cresceu!

Porque homens verdadeiramente grandes não nascem grandes; tornam-se grandes!

Comentários

Os artigos mais lidos

Como seria sua vida se não existisse o celular