Postagem em destaque

O catador de livros

Ele era só mais um entre tantos numa capital urbana. As vidas transpassando entre passos e descompassos; prazos e atrasos; em meio a percalços e descalços; tratos, maltratos e maus-tratos.

E lá estava ele.

Sucumbindo à dureza da cidade que ergue edifícios que arranham os céus e rebaixa pessoas arrastando-as ao chão. Não era culpa desta cidade, ora pois! Todas têm suas riquezas e pobrezas; suas alegrias e tristezas; suas tolices e suas destrezas; suas bondades e suas maldades; suas mentiras e suas verdades.

Mas nesta, lá estava ele!

Com a roupa do corpo e uma sacola na mão caminhava mesmo sem chão. Não tinha teto, mas a esperança era o seu abrigo. Não tinha rumo e o horizonte era o seu destino. Não tinha pressa, mas o tempo era seu inimigo.

A noite caía, a gente se recolhia, o silêncio ensurdecia.

E lá estava ele.

O sol nascia, a gente surgia, o silêncio findaria.

E lá estava ele.

Todo dia era a novidade que se repetia, a mesmice que persistia, o propósito que se esvaía.

Faminto!

Feliz…

Como funciona o Budismo e seus preceitos?

A palavra "Budismo" é derivada da palavra "bodhi" que significa despertar. Portanto, para seus seguidores, o Budismo trata-se da filosofia do despertar ou da iluminação.

Fundada há cerca de 2.500 anos pelo príncipe indiano Siddartha Gautama, o Buda, a filosofia budista tem em torno de 300 milhões de adeptos ao redor do mundo. Até o século XIX, a predominância de seus praticantes estava localizada no continente asiático, porém, desde o início do século XX sua abrangência tem se expandido gradativamente.

De acordo com dados do Censo demográfico, realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística), em 2010, haviam por volta de 200.000 praticantes do budismo no Brasil. O país abriga a maior colônia de japoneses e descendentes fora do Japão, e estes são os maiores responsáveis por trazer a herança de Buda.

Assista o vídeo a seguir, e conheça mais sobre o mundo budista.

Comentários

Os artigos mais lidos

Como seria sua vida se não existisse o celular