São Paulo vai às compras para reerguer setor defensivo

São Paulo vai às compras para reerguer setor defensivo / Fonte da foto: esportes.ig.com.br
Zagueiro já pode vestir a camisa São Paulina contra o FLU domingo
O São Paulo acertou a contratação do zagueiro Antônio Carlos na última quinta-feira (15/08), e apresentou o jogador segunda-feira (19/08). O novo reforço para a zaga já pode entrar em campo no próximo domingo (25/08).

O sistema defensivo do “Tricolor do Morumbi” vem sendo criticado desde o início do ano e a vinda do ex-zagueiro botafoguense é uma aposta da diretoria São Paulina para resolver esse problema.

Antônio chegaria para fazer dupla de zaga com Rafael Tolói, depois de ter perdido espaço no elenco do “Alvinegro Carioca” com a chegada do experiente Bolívar. O treinador Paulo Autuori ainda tem a sua disposição Paulo Miranda, Edson Silva e Lucas Silva para a mesma posição.

A contratação de Antônio Carlos parece ser uma última tentativa de acertar o setor defensivo da equipe. O ex-camisa 3 do Botafogo é, até, um jogador de nível médio para bom e pode ser útil para a elenco do “Tricolor Paulista”. No entanto, o maior erro da cúpula da equipe do Morumbi foi ter se desfeito de dois dos seus melhores nomes para o setor: Lúcio que foi afastado devido à problemas técnicos e atos de indisciplina (mas não há nenhuma peça no elenco que possa o substituir à altura) e, principalmente, Rhodolfo que formou boa dupla de zaga com Tolói em 2012 e foi inexplicavelmente emprestado ao Grêmio.

Enfim, o São Paulo está sofrendo, agora, no Campeonato Brasileiro com decisões precipitadas (como essas citadas acima) de sua diretoria.
Confira alguns momentos do treino de Antônio Carlos no São Paulo:


Gostou do artigo? Não esqueça de compartilhar com os amigos e parabenizar o autor deixando seu comentário! 

Sobre o Autor:
Vinícius Ramalho
Vinícius Ramalho é jornalista formado em 2012. Apaixonado por esporte (principalmente por futebol) e ligado nas mídias sociais.

Postagens mais visitadas deste blog

Como seria sua vida se não existisse o celular